Depois de anos de faculdade e dedicação, muitos arquitetos decidem abrir um escritório de arquitetura. Mas a verdade é que a maioria dos cursos não prepara os profissionais para assumir a grande responsabilidade de também serem empresários.

De fato, existem muitas etapas entre o momento que você decide ter um negócio próprio até o atendimento do primeiro cliente. Nesse processo, que pode levar até alguns meses, será necessário decidir sobre a estrutura, burocracia e a contratação de pessoal, por exemplo. Tudo isso, claro, custa dinheiro.

Se você pretende abrir um escritório de arquitetura, pode começar a por as suas ideias em prática. Mas antes, confira as nossas dicas essenciais. Continue a leitura do post para saber mais!

Desenvolva um plano de negócio

Um plano de negócio é um documento que descreve como será todo o processo de implantação do seu escritório. É o primeiro passo a ser dado antes da abertura de qualquer tipo de empresa. Precisa ser detalhado, trazendo as principais informações que vão moldá-la.

Inclusive, ele é importante caso precise fazer um empréstimo ou buscar algum tipo de investimento. Um bom plano de negócio deve conter, no mínimo:

  • objetivos e metas;

  • proposta de valor;
  • valor a ser investido e como isso será feito;

  • definição de público-alvo;

  • segmentação de negócio;

  • existência de sócios e a divisão entre eles;

  • retorno esperado;

  • descrição detalhada de cada etapa para a implantação.

Veja o quanto tem para investir

O próprio plano de negócios poderá te indicar o quanto será preciso investir. A partir das suas escolhas iniciais, será possível determinar um valor aproximado que atenda a essas necessidades.

É importante ter em mente que alguns gastos não podem ser evitados. Por exemplo, você vai precisar de pelo menos uma mesa, algumas cadeiras, um computador, telefone e o local do escritório. Além disso, tem a divulgação, a contratação de recepcionista e alguém para fazer a limpeza.

Também é fundamental se atentar a todas as despesas com documentação, capital de giro e todos os materiais necessários para manter o escritório funcionando. Ou seja, você precisa conciliar o valor máximo que pode pagar e o mínimo necessário para que tudo saia o mais próximo do planejado.

Conheça seu público-alvo

Querer prestar serviços gerais de arquitetura é um erro grave! Antes de dar início às suas atividades, defina o foco do seu escritório. Ou seja, qual o serviço que você irá prestar? 

Para te ajudar a definir, você pode optar por aquilo que faz melhor ou até pelas atividades que mais gosta de realizar. 

Essa etapa do processo é importante pois somente depois de definir o serviço que você irá prestar, é que será possível definir o seu público-alvo. Afinal, certamente o cliente de um escritório de paisagismo será diferente do cliente de um escritório que faz projetos comerciais. 

Outra dica para te ajudar a definir o perfil do seu cliente é a criação de personas. Isto é, a criação de uma representação científica dos tipos de cliente que você imagina para o seu escritório. Assim fica mais fácil identificar os seus desejos, fraquezas e necessidades.

Cuide das questões burocráticas

Hoje em dia, é bem mais fácil abrir uma empresa de qualquer área. Para isso, é possível fazer o Cadastro Nacional de Pessoa Física (CNPJ) junto à Receita Federal. A partir daí, vão surgir uma série de obrigações, como regime de tributação, emissão de notas fiscais, prestação de contas, declaração de imposto de renda, entre outras.

Todos esses aspectos legais devem ser considerados e respeitados à risca, uma vez que podem trazer consequências graves, como multas e até a perda do negócio. Procure um contador para ajudar na abertura da empresa. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) também oferece cursos e consultorias gratuitas para orientar quem está começando.

Escolha o lugar mais apropriado

Alguns fatores podem influenciar o lugar escolhido para abrir um escritório de arquitetura. O primeiro deles, obviamente, é o valor do aluguel ou de aquisição do imóvel. Inclusive, é preciso analisar qual dessas duas opções é a mais viável, dentro do seu orçamento e conforme as características do mercado imobiliário da sua região.

Depois é fundamental considerar o público-alvo já definido no plano de negócio. É a partir dele que você poderá definir a localização, uma vez que o escritório deve estar próximo ou ser acessível às pessoas de interesse.

Em seguida, deve-se avaliar o tamanho do imóvel, bem como a distribuição de salas e como ele poderá acomodar a sua infraestrutura. Claro que, a princípio, qualquer lugar disponível pode ser usado para começar, inclusive um cômodo vazio na sua casa. No entanto, um lugar específico passa mais credibilidade e atrai mais clientes.

Para facilitar, considere a locação de uma sala em um espaço de coworking, sobretudo, nos que abrigam modelos de negócio parecidos ou complementares ao seu. Por exemplo, pode ser interessante dividir um espaço com um design de interiores ou um engenheiro civil.

Adquira a estrutura necessária

Com o lugar escolhido, é hora de se preocupar com a infraestrutura. Nesse momento, a sua primeira preocupação deve ser com o seu instrumento principal de trabalho: o computador. 

Se você é um profissional da arquitetura, então certamente sabe que os softwares utilizados para a criação de projetos em 3d são pesados, e necessitam de um hardware potente. Verifique se o seu computador será capaz de suportar a demanda planejada, ou se será necessário fazer a compra deste equipamento. 

Além do computador, de uma mesa, cadeiras e todo o material do escritório, é preciso considerar também outras coisas que serão necessárias no seu dia a dia, como uma geladeira, cafeteira e os insumos de cozinha e banheiro. Afinal, você passará o dia todo no escritório e também precisa oferecer conforto aos clientes.

Mesmo que você deva priorizar o necessário para que o escritório funcione, considere também a decoração e qualquer outro detalhe que possa ser mais atraente para o seu público. O seu escritório precisa transmitir a identidade do seu negócio.

Softwares profissionais

Ainda falando sobre a estrutura necessária para o seu escritório de arquitetura, outro fator importante a ser considerado é a contratação de softwares profissionais. Não há a possibilidade de sucesso sem o uso de softwares adequados. 

Invista naquelas ferramentas e equipamentos fundamentais para o seu dia-a-dia, como é o caso do AutoCAD e do Sketchup. 

Não menos importante, invista também na contratação  de um software de gestão para ajudar na otimização dos processos administrativos e financeiros, como o controle do fluxo de caixa e o controle das atividades de obra. Hoje você encontra no mercado ferramentas completas a valores acessíveis, como é o caso do Veja Obra. 

 

Contrate uma equipe capacitada

Pode ser que você comece a trabalhar sozinho. Mas com o aumento da demanda, pode ser necessário contratar alguém para a recepção e até um assistente.

Procure pessoas capacitadas e com experiência na área, mas avalie, principalmente, se eles têm o perfil profissional adequado à sua rotina profissional. Se for o caso, contrate uma consultoria em Recursos Humanos (RH) para orientação.

Invista em marketing e divulgação

Com o escritório montado, agora é preciso que as pessoas saibam da existência dele. Portanto, não deixe de investir em estratégias de marketing que podem auxiliar a conquistar o seu público.

Se você acha que isso pode custar muito caro, considere a utilização de mídias sociais para captação de clientes e um blog com conteúdo otimizado. Essas estratégias custam muito pouco e funcionam muito bem para atingir um público qualificado.

Enfim, antes de realizar o seu sonho de abrir um escritório de arquitetura, pesquise, estude e planeje bastante. Além disso, busque os parceiros que podem ajudar você da melhor maneira possível nesse momento tão importante.

E aí, gostou do post? Ele foi útil para você? Deseja saber mais sobre a área? Então, não deixe de ler o nosso artigo sobre 7 tendências da arquitetura que você não pode ignorar.