Quanto será gasto para reformar uma casa ou executar um novo projeto? A formulação de um orçamento de obras consistente é imprescindível para que clientes fiquem satisfeitos e seja criada uma relação de confiança. Porém, orçar tudo aquilo que envolve uma obra não é uma missão simples. Esquecer algum item ou subestimar os valores que serão gastos pode representar grandes dores de cabeça.

Arquitetos e engenheiros podem trabalhar juntos na formulação do orçamento, mas é possível que apenas um deles conduza o processo. Para isso, é fundamental um projeto bem detalhado, que impactará diretamente na precisão dos cálculos do que será gasto na realização da obra.

Para ter o controle exato de materiais, ainda que sejam necessárias mudanças ou quaisquer ajustes no projeto, arquitetos podem também recorrer a softwares especializados que simplificam o acompanhamento da obra.

Referências para o orçamento de obras

Para determinar os custos de um projeto, os arquitetos podem utilizar indicadores que proporcionarão uma noção dos valores que serão gastos. O Custo Unitário Básico da Construção Civil (CUB) estima um orçamento tomando como parâmetros custos de obras semelhantes pela área que elas ocupam. A análise por metro quadrado é uma das principais referências a serem utilizadas para o cálculo do valor de um projeto.

Porém, o CUB é apenas uma referência. Essa aproximação será aprimorada com a cotação de preços dos materiais, considerando sempre as particularidades de cada obra — residencial ou comercial, padrão baixo, médio ou alto.

Um auxílio no detalhamento do orçamento de itens pode ser feito com o uso de softwares, que apresentam a possibilidade de serem adaptados às necessidades e metodologias de cada escritório de arquitetura, com o registro de diferentes cenários.

Os softwares ainda ajudarão a manter um histórico de orçamentos, possibilitando que eles sejam revisitados. As experiências já vivenciadas trarão mais eficiência na confecção de novos planejamentos orçamentários.

Fatores imprescindíveis para o orçamento de obras

Para a elaboração de um orçamento completo, os arquitetos não devem se ater apenas aos custos de materiais. Esse cálculo envolve também a mão de obra e as especificações técnicas de cada serviço, além de questões de logística e taxas relacionadas à execução e ao local da obra. É recomendável que sejam feitas ao menos três cotações de insumos e serviços para serem apresentadas ao cliente. Também é interessante que seja deixado um valor de reserva para eventuais imprevistos.

Cálculo da mão de obra

O cálculo do valor que será gasto com mão de obra poderá apresentar grandes variações em consequência da qualificação dos profissionais que estarão envolvidos na obra. Porém, a determinação dessa quantia pode ser feita de duas formas: por empreitada, em que será fixado um valor para o serviço, ou por horas trabalhadas.

Uma vez que o projeto esteja bem definido, é mais fácil estimar o tempo necessário para a execução daquele serviço, tornando o pagamento por empreitada mais assertivo. O profissional a ser contratado estimará o preço com mais segurança, enquanto o contratante terá a confiança de que não precisará arcar com valores além daqueles que foram previstos inicialmente.

Já o pagamento por horas tende a ser mais indicado para tarefas que não estavam previstas inicialmente no projeto e foram demandadas no decorrer da obra. Com controle e bom direcionamento, será amenizado o risco de que os profissionais extrapolem o tempo gasto para a execução de uma etapa da obra.

Logística

Arquitetos que não dão a devida atenção à logística de uma obra tendem a falhar na precisão de orçamentos. Além de escolher um material, é necessário observar como será feito o transporte até a obra. É preciso também considerar a necessidade de locação de equipamentos e observar questões posteriores à execução da obra, como a retirada de entulho e a limpeza, que também gerarão custos.

Custos indiretos

O orçamento deve ainda abranger os custos indiretos à execução da obra, como os gastos com taxas e impostos. É importante manter os clientes cientes da necessidade de pagamentos ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) e ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), assim como taxas para liberação de alvará e para construção e registro de imóveis.

Como evitar erros no orçamento de obras

Uma das principais dores de cabeça enfrentadas por arquitetos está em erros que possam surgir no orçamento e como convencer o cliente a arcar com custos que tenham ultrapassado o que foi planejado. Uma série de fatores pode evitar que isso ocorra.

Conhecer a execução

O arquiteto deve se ater a todos os detalhes do orçamento, mas é ainda mais importante que ele conheça, além das especificações de materiais que serão utilizados, como será a sequência de execução da obra. Assim, dificilmente esquecerá de algo que deva ser orçado.

Pensar em como cada etapa da obra será feita é um ponto-chave para que sejam evitadas falhas e desperdícios, tanto de insumos quanto de tempo de serviço. Além de determinar o material correto, é preciso saber como ele será aplicado.

Fazer um orçamento por equipe

Um obstáculo para os arquitetos após a elaboração de um orçamento é a cobrança de serviços que não estavam previstos inicialmente. Para evitar que isso aconteça, é recomendável que sejam feitos contratos separados para cada tipo de serviço, com detalhamento de tudo aquilo que será feito.

Nos contratos, pintores, azulejistas, eletricistas, pedreiros e demais profissionais determinam exatamente aquilo que será realizado e assumem um compromisso de qualidade. Esse é um importante recurso para o arquiteto se precaver quando a execução não é bem feita ou quando algum profissional abandona um serviço.

Os contratos asseguram o arquiteto ainda quanto a novos pedidos realizados pelo cliente durante a execução da obra. Caso novos serviços sejam necessários, outros contratos deverão ser firmados. É imprescindível que esses acordos sejam assinados e documentados.

Fornecedores devem visitar a obra

Em casos de reforma ou obras já em andamento, para assegurar que um fornecedor determinará um valor preciso para o serviço que será realizado, é importante que esse profissional vá até o local da obra.

Sem a exata noção daquilo que será feito, os preços serão determinados em estimativas e, consequentemente, aumentará o risco de que novos serviços sejam demandados durante a realização da reforma ou da construção. A visita desses profissionais proporcionará maior precisão no volume de materiais que serão gastos e evitará desperdícios.

Para evitar diferenças significativas entre o orçado e o custo real de uma obra, é fundamental fazer um orçamento detalhado. Um software de gestão deixará esse trabalho muito mais fácil.

Além disso, é necessário conhecimento para o planejamento, a execução e o controle do canteiro de obras. Ter noção de materiais, horas de trabalho, horas/máquina e outros custos resultará em um orçamento de obra preciso. Arquitetos que apresentam cálculos bem detalhados conquistam credibilidade e confiança no mercado.

Quer entender como tornar seu orçamento de obras ainda mais preciso? Faça um teste gratuito do software do Veja Obra!