A construção civil envolve uma enorme quantidade de exigências. Entre os materiais escolhidos, autorizações para o projeto, prazos e orçamentos, um dos fatores mais importantes a serem considerados para gestão de uma obra é a gestão de riscos de todo o processo de construção.

Desde a segurança dos trabalhadores contratados para a obra até os impactos no espaço em que acontece a construção, são muitos os aspectos de uma obra que podem trazer graves riscos ao longo do processo. E para que seja possível garantir uma execução segura do projeto, é preciso analisar todos os riscos que a execução do projeto envolve para que seja possível criar medidas preventivas ainda na fase de planejamento.

Por isso, é  fundamental que a gestão da obra inclua também a gestão de riscos do projeto, não só para garantir um ambiente seguro e confiável de trabalho para os seus colaboradores de obras, mas também para evitar problemas jurídicos graves para a sua empresa ou escritório.

Confira quais são os aspectos fundamentais a serem considerados na gestão de riscos de uma obra.

Análise dos riscos de cada atividade

Já falamos por aqui sobre a importância de definir um sequenciamento de atividades bem claro para o seu projeto. Mas não se esqueça que nesse momento também é importante analisar quais os possíveis riscos que a execução de cada uma dessas atividades envolve, e já incluir maneiras de evitá-los no próprio planejamento da obra.

Para tanto, é preciso analisar não só a atividade a ser executada, mas também os materiais que serão utilizados, e as máquinas, equipamentos e ferramentas que serão necessários para que seja possível realizá-la.

Por exemplo: se o projeto envolve a pintura da fachada de um prédio, é necessário pensar em todos os riscos que essa etapa pode oferecer ao profissional responsável pela tarefa e como evitá-los. Também é importante pensar nos transeuntes da área, caso o local onde a tarefa será executada seja movimentado.

Para pintar uma fachada, os profissionais contratados precisarão de equipamentos de segurança para trabalhar em altura – todas as empresas do segmento de construção civil devem seguir as NRs, normas regulamentadoras, estabelecidas pelo Ministério do Trabalho. É preciso também restringir a passagem de pessoas no espaço ao redor do prédio, além de definir barreiras para que a pintura não danifique veículos estacionados por perto.

Uma vez definidos os riscos, o próximo passo é adicionar ao planejamento de obras quais as medidas necessárias para evitá-los. Isso envolve desde os materiais a serem utilizados no momento da obra até o contato com órgãos públicos para limitar a circulação de pessoas no local em que a equipe está trabalhando.

Lembre-se de que um bom planejamento não é o suficiente! Para garantir o cumprimento de todas as atividades planejadas de acordo com as medidas de segurança estabelecidas, é necessário o acompanhamento e controle da execução do projeto pelo gestor de obra, especialmente durante as etapas que envolvem maior risco.

Classificação dos riscos da obra

Os riscos avaliados inicialmente podem ser classificados de acordo com o seu grau de gravidade por meio de grupos e cores:

Grupo I (Verde) – Físicos: aspectos com as quais o profissional terá contato durante a obra, entre ruídos, umidade, pressão, temperatura, etc.

Grupo II (Vermelho) – Químicos: agentes que podem ser inalados pelo profissional, como poeira e vapor.

Grupo III (Marrom) – Biológicos: bactérias, fungos ou parasitas que podem atingir o colaborador durante o seu trabalho.

Grupo IV (Amarelo) – Ergonômicos: situações que podem causar desconforto no colaborador, como movimentos repetitivos e monotonia.

Grupo V (Azul) – Acidentes de trabalho: qualquer fator que coloque o profissional em riscos de acidentes que afetem a sua integridade física.

Essa classificação em grupos e cores é padronizada em qualquer canteiro de obras, o que facilita a identificação dos riscos por meio dos colaboradores, reduzindo assim a possibilidade de erros. Além disso, são muito úteis para que seja possível identificar em quais etapas da obra existem maiores riscos que podem comprometer o desenvolvimento do projeto.

Riscos comuns no canteiro de obras

A indústria da construção civil é altamente dependente de mão de obra, o que por consequência torna os números de acidentes de trabalho no canteiro de obras bem expressivos. No entanto, alguns fatores contribuem de forma maior para a incidência de acidentes, e por isso vale a pena mencionar os imprevistos mais comumente encontrados:

Queda em altura: antes de dar início a trabalhos em altura, os profissionais contratados devem estar bem informados sobre as NRs e compreender o uso dos equipamentos de segurança exigidos. Uma queda durante o trabalho pode trazer consequências negativas para toda a vida do colaborador, e é crucial que todos os envolvidos estejam conscientes dos riscos que esse tipo de trabalho envolve, tomando todas as providências necessárias para evitá-los.

Queda de materiais: a queda de materiais durante o trabalho em altura pode causar acidentes gravíssimos. Todos os profissionais envolvidos na obra precisam estar conscientes das consequências de trabalhar nesse tipo de situação, executando as suas funções sempre de acordo com as NRs.

Choques elétricos: a atenção deve ser redobrada em atividades que envolvam energia elétrica. Além de ser fundamental que seja contratado um profissional experiente e qualificado, equipado com o que for necessário para garantir a sua segurança durante a sua presença no canteiro de obras.

Falta de sinalização: a sinalização no canteiro de obras é fundamental para evitar acidentes. Indicar os possíveis riscos de cada espaço da construção com placas, fitas sinalizadoras e barreiras físicas garante que todos os profissionais envolvidos estejam sempre em alerta sobre a própria segurança durante o período de trabalho.

Falta de conhecimento sobre materiais: antes de atribuir uma tarefa a um dos membros da equipe do projeto, tenha a certeza de que ele saiba manusear corretamente as ferramentas que farão parte dessa etapa. Isso evita acidentes de trabalho e possíveis danos aos materiais utilizados.

A organização e atenção ao trabalho no canteiro também são aspectos que podem trazer riscos à obra se não forem prioridade da equipe. Desde o armazenamento de ferramentas à circulação de pessoas no ambiente de trabalho, é preciso foco na execução do projeto, sempre de acordo com aquilo que foi planejado no Cronograma de Obras para evitar intercorrências ao longo da construção.

Quando é feita a identificação dos possíveis riscos que um projeto envolve antes de colocar a mão na massa, fica mais fácil garantir a segurança de todos os profissionais contratos, tudo de acordo com as normas estabelecidas. Menos imprevistos e mais segurança para a equipe significam também menos alterações no cronograma, o que resulta em projetos entregues dentro dos limites estipulados.

Agora que você já sabe como funciona a gestão de riscos em uma obra, não deixe de conferir o nosso e-book sobre gestão completa de obras! Mãos à obra!