Um dos grandes problemas que tem comprometido a produtividade do setor da construção civil é o desperdício na obra. Infelizmente, toda a cadeia de processos dentro de um canteiro está acostumada com isso: os operários acreditam que os recursos são praticamente ilimitados, o setor de gestão não controla a eficiência do uso dos materiais e, geralmente, não há políticas internas claras para a reciclagem e reuso das sobras das obras. 

Para reduzir os custos das compras de insumos, é essencial atacar essas falhas e mudar a cultura do seu canteiro. Algumas medidas são bem simples, enquanto outras necessitam de um pouco mais de esforço. 

Então, confira como voltar a se dar bem com o setor de compras e evitar o desperdício na obra:

Os números do desperdício na obra

Nas faculdades, frequentemente, nossos professores repetem um antigo ditado da construção civil: a cada três prédios construídos, um quarto prédio poderia ser erguido. Hoje, felizmente, as coisas avançaram. Porém, os números ainda não são animadores: uma pesquisa da USP demonstrou que o desperdício médio nas obras é de 8%. 

Para alguns setores e materiais, as perdas foram um pouco mais evidentes: com o cimento, foram observadas perdas de 8% a 288%. Os revestimentos e os rejuntes também tiveram números igualmente altos. 

O estudo ainda mostrou um fato bem importante: as obras que fazem uso de tecnologia para a gestão e execução da obra tiveram um índice de desperdício muito menor. Isso demonstra como a construção civil, por vezes, deixa a desejar na gestão e que investir na tecnologia dessa área pode trazer grandes vantagens.

 

Banner_orcamento

 

O reaproveitamento de materiais

Um dos erros mais comuns na gestão de resíduos da indústria da construção é considerar que muitos materiais, como o concreto e a madeira, não podem ser reaproveitados. É comum a crença de que esses produtos chegaram ao final do ciclo e só servem para o descarte. Porém, a tecnologia avançou bastante e novos usos são pensados para esses materiais.

Para isso, separe os resíduos em tambores ou caçambas, organizando-os de acordo com o seu tipo. Por exemplo, em alguns canteiros que visitamos, vemos a seguinte divisão:

  • Metais;
  • Concreto e cimento;
  • Madeira;
  • Restos de acabamentos; 
  • Plásticos.

Conforme o seu projeto, você pode mudar essa disposição, acrescentando ou reduzindo as categorias.

Para que isso ocorra, é preciso estruturar toda sua equipe. Todos, de ponta a ponta, devem estar envolvidos com o gerenciamento de resíduos. Inicie, portanto, um treinamento breve para explicar as regras de separação, para conscientizar da importância dessa medida e para motivar seus operários.

Então, destaque e faça um rodízio dos membros das equipes para supervisionar o cumprimento das novas regras. Com isso, todos serão capazes de compreender a importância de um programa de gerenciamento de resíduos.

O planejamento de cada passo da obra

Uma construtora será muito mais produtiva quando houver um planejamento maior. O estudo da USP observou os seguintes pontos:

  • Quando as empresas tinham o cuidado de calcular com exatidão a quantidade de concreto para uma forma, elas conseguiam reduzir a zero o desperdício nesse processo;
  • Ao utilizar formas metálicas, em vez de madeira, foi possível reduzir o índice de desperdício de 9% para 5%;
  • Quando o cimento e a argamassa eram fabricados duas vezes ao dia, foi possível eliminar o desperdício em comparação a quem fabricava tudo de uma só vez;
  • Ao utilizar ferramentas de gestão, como o diagrama de Gantt e os sistemas digitais, foi possível reduzir o desperdício ao mínimo. 

O cuidado no transporte e no armazenamento

Outra conclusão bastante interessante para quem quiser evitar desperdícios, é o cuidado no transporte e o planejamento do armazenamento. Os materiais embalados e acondicionados de maneira adequada diminuem bastante as perdas.

Por exemplo, os revestimentos podem ser transportados sem proteção nenhuma, mas, certamente, muitos deles quebrarão no transporte. Quando devidamente embalados, com plástico e papelão para absorver os impactos, as perdas são praticamente nulas. Esse mesmo cuidado deve ser tomado na armazenagem desses materiais.

Além disso, outra medida se mostrou muito efetiva: deixar os materiais perto de onde eles são utilizados. O vaivém deles aumenta bastante a probabilidade de perdas.

A escolha de fornecedores cuidadosos

Conforme dissemos, é preciso eliminar o desperdício de ponta a ponta. No extremo inicial da cadeia produtiva, temos os fornecedores, cuja qualidade do serviço pode variar bastante. Há aqueles que transportam com muito cuidado e investem na minimização de perdas; já, outros se aproveitam da negligência do setor para enviar materiais comprometidos.

Então, não escolha movido somente pelo preço e pela qualidade do produto, observe também o zelo do fornecedor com o seu cliente.

O investimento em tecnologia de gestão

A gestão da obra é essencial e, atualmente, ela tem sido muito facilitada devido ao uso da tecnologia. Há ERPs (Enterprise Resource Planning), aplicativos e serviços de software (SaaS) avançadíssimos e que podem cuidar de cada detalhe da sua obra, como:

  • Orçamentos;
  • Fornecedores;
  • Diário de obras;
  • Troca de arquivos;
  • Organização e acesso a documentos;
  • Plantas;
  • Gestão financeira etc.

Assim, você institui uma cultura de alta gestão dentro da sua empresa, independente do tamanho, aumentando a eficiência e produtividade dos seus funcionários. Além disso, é possível definir indicadores de qualidade, controlar cada processo, observar a produtividade dos funcionários e manter o controle financeiro da obra. 

A tecnologia, então, não veio somente para revolucionar os materiais e equipamentos. Ela também pode mudar completamente a produtividade e a eficiência da sua obra por meio da gestão de alta qualidade e rendimento. Com isso, torna-se possível monitorar e reduzir o desperdício na obra de forma ágil e simples. 

Portanto, não há segredos para voltar a se dar bem com o setor de compras: as medidas são simples e de fácil implementação. Para evitar o desperdício na obra, a primeira mudança deve ser sempre na própria cultura do empreendimento. Depois, bastam o engajamento de toda equipe e o investimento em soluções de sustentabilidade para que o negócio colha os bons resultados. 

Quer saber mais como a tecnologia pode revolucionar o canteiro de obras? Está interessado na melhor solução de software do mercado? Entre em contato com a equipe do Veja Obra!